Putinhos - Vídeos Sexo Online!


Curiosidades e Dicas

Guia Prático Gay com Dicas de Sexo na Cama com o seu Parceiro

O putinhos.net lança hoje o seu primeiro e-book virtual destinado a todos os gays que se interessam por dicas de sexo e práticas de posições sexuais na cama com o seu parceiro. O e-book virtual nada mais é do que uma amostra grátis do livro com um guia completo de 69 posições do sexo gay, e foi traduzido pelo próprio Hotstudios.net para o português, já que a versão original é em apenas duas línguas, alemão e inglês. As páginas traduzidas já faziam parte de uma amostra grátis disponibilizada pela editora do livro. Nós apenas juntamos e traduzimos, e demos um toque especial a mais para que você leitor possa sentir o máximo de prazer ao ler esse maravilhoso guia do amor gay.  Então não perca tempo, clique aqui e veja esse mini-book elaborado pelo site putinhos.net. Espero que gostem 🙂

 praticas -de-sexo-gay-na-cama

7 dicas para deixar o seu pênis incrível

Veja aqui sete dicas para você turbinar o seu pênis e melhorar o seu desempenho sexual:

1 – Lavar o pênis cuidadosamente com água e sabonete neutro é um dos principais métodos preventivos do câncer no órgão. Também é importante estender a higiene para os testículos, virilha e ânus. Quem não lava o cu, bom sujeito não é!

2 – Após o banho, é importante secar bem a região genital para prevenir, inclusive, assaduras e micoses. Assou? Passa hipoglós, nebacetin, babosa e repouso absoluto. Nada de punheta por uns dias.

3 – Deve-se lavar as mãos antes de urinar, pois isso evita doenças. Como o pênis está limpo, a mão pode estar contaminada. Tenho certeza que você se lembra onde enfiou o pinto pela última vez. Agora, e a sua mão?

4 – Após urinar, é fundamental secar o pênis com papel higiênico para que a região não fique úmida e suscetível à proliferação de bactérias e fungos. Vai dizer que nunca reparou no cestinho de lixo, com pedaços de papel menores do que o que você usa pra limpar a bunda? Sem falar que pau com cheiro de mijo… bom, tem quem goste!

5 – Lavar o pênis após a relação sexual ajuda a remover o lubrificante do preservativo que fica misturado ao sêmen. A higienização também deve ser feita quando não há uso de camisinha, pois remove o resíduo do esperma misturado às secreções do parceiro (do cu dele). Aquela cena clássica de lavar o pau na pia. Quem nunca?

6 – Não há necessidade de depilar a região do pênis, pois isso pode aumentar a chance de inflamação cutânea. Apenas aparar os pelos é suficiente. Ok, a gente sabe que tem quem goste dos depiladinhos, mas estamos falando do seu pau! O que você prefere?

7 – A circuncisão (cirurgia da fimose) é considerada fator de proteção, capaz de reduzir para zero a probabilidade de contrair câncer. Caso isso não ocorra, vale intensificar a higiene para evitar o acúmulo de sujeiras e secreções na região. Pau com queijinho é tão tenso quanto cagar no pau.

Universidade de Harvard vai dar aula de sexo anal para estudantes

A Universidade de Harvard (EUA), considerada a melhor do mundo, terá uma disciplina sobre sexo anal chamada Anal Sex 101. O curso, com duração de uma semana, faz parte de um evento maior, a Sex Week. Segundo a Universidade de Harvard, o objetivo é ajudar os estudantes a praticar sexo de forma mais saudável e prazerosa.

De acordo com o site de notícias norte-americano Huffington Post, o curso terá 101 aulas sobre o tema. As palestras da disciplina Anal Sex 101 abordam anatomia, higiene, lubrificantes, preparação para o ato, brinquedos sexuais, sexo seguro, penetração para iniciantes, entre outros aspectos relacionados ao sexo anal.
O curso foi criado pela Good Vibrations, um sex shop com foco em abordagem positiva do sexo. Segundo Carol Queen, sexologista da Good Vibrations, a ideia é ensinar aos alunos de Harvard sobre a “excitante, porém mal compreendida forma de prazer”. E aí, você toparia as lições dessa matéria de faculdade?

fonte: https://br.noticias.yahoo.com/blogs/vi-na-internet/anal-sex-101-harvard-tera-disciplina-sobre-sexo-anal-192419112.html
 
 
 

Você namoraria um g0y?

Você já deve estar sabendo de todo o barulho acerca dos g0ys nas últimas semanas. Homens que se relacionam com outros homens, mas que não se consideram homossexuais. Contanto que a relação entre ambos não envolva o sexo anal, os beijos, carinhos e até sexo oral estão liberados. Além da visão meio deturpada que os hétero-g0ys possuem da comunidade LGBT, essa ideologia é cercada de polêmicas, pois muitos acreditam que os integrantes são apenas gays que não tem coragem de sair do armário.

Mas afinal, você namoraria um g0ys? A pergunta pode ser meio maldosa, mas a preocupação é pertinente. Até porque namorar um g0y pode envolver traição de uma maneira ou de outra, mesmo que ele não tenha interesse em assumir um compromisso sério com outro homem.

De acordo com o site Heterogoy, o portal brasileiro sobre essa ideologia, o contato entre os parceiros se resume a “preliminares na visão hétero tradicional, ou brincadeiras sacanas na visão hétero g0y”. Assim, eles podem beijar, aproveitar a masturbação e, eventualmente sexo oral. Mas nunca a penetração. O grupo explica que esse tipo de sexo é para ser feito somente com mulheres. Achou estranho? Ainda não viu nada, inocente…

O site estrangeiro g0ys.org chega a afirmar que o “processo natural” de relação entre pessoas do mesmo sexo foi “denegrido” pelo movimento gay moderno, por conta do sexo anal e da “perversão de alguns grupos”. Ao que parece, para os g0ys o sexo anal é mais polêmico do que mamilos. Mas e como eles podem saber se os companheiros não andam quebrando as regras por aí? Será que existe uma “Patrulha de Fiscalização do Bumbum Alheio”??

Enfim, o que para a gente pode parecer estranho, para os hétero-g0ys é muito claro. No site existe uma explicação para diferenciar um gay de um g0y. Prepare-se:

“O nome composto gay-zero confunde no momento que pode levar à interpretação de que um gay-zero = heterossexual, o que não é verdade, por analogia um guaraná zero, não é aquele que virou fanta, mas apenas um guaraná que foi retirado um único componente, no caso o açucar (sic). No caso dos gays é justamente isso, o gay-zero (ou g-zero) seria um homem que sente atração por outro homem, mas não pratica um dos componentes do mundo gay, um g-zero não é realiza (sic) sexo anal durante contatos íntimos masculinos…”.

Para os g0ys o sexo anal é rechaçado, pois segundo os integrantes é uma forma muito comum de contrair doenças. O que poderia ser evitado pelo simples uso da camisinha. No site do grupo também podemos encontrar informações que podem dar um verdadeiro nó na cabeça de quem ainda está confuso ou com medo da própria orientação sexual. O que eles falam sobre pessoas transexuais não vale nem a pena ser reproduzido. Além disso, no site também são encontradas palavras preconceituosas, como “baitolice” e “g0ys são machistas”.

Para muitos estudiosos, os homens que se intitulam g0ys são o retrato de uma sociedade que ensina que ser homossexual é errado e sujo, ou seja, o g0y seria uma pessoa com uma homofobia interna muito grande. Um homem hétero-g0y seria aquele que quer desfrutar dos desejos gays, mas que não quer se identificar (ou ser identificado) como pertencente a comunidade LGBT, pois uma das normas do grupo é justamente “celebrar a masculinidade”.

fonte: http://divando.pop.com.br/

 

Homossexualidade masculina pode estar ligada à genética

Alguns cientistas acreditam que vários genes podem estar ligados à orientação sexual. Neste estudo, os resultados corroboram evidências anteriores que apontavam para os genes do cromossomo X. Eles também descobriram evidências da influência de um ou mais genes de outro cromossomo: o cromossomo 8. Mas o estudo não identifica qual das centenas de genes localizados em cada uma dessas duas regiões podem estar envolvidos. Estudos menores buscando fatores genéticos ligados à homossexualidade trazem resultados inconclusivos.

A nova pesquisa “não é prova, mas é uma boa indicação” de que genes dos dois cromossomos têm alguma influência sobre a orientação sexual, diz o médico Alan Sanders, principal autor da pesquisa. Ele estuda genética comportamental na Universidade NorthShore, no Estado de Illinois, nos Estados Unidos.

Profissionais que não estavam envolvidos no estudo foram mais céticos. Neil Risch, especialista em genética da Universidade da Califórnia, em São Francisco, disse que as informações são muito fracas do ponto de vista estatístico para demonstrar qualquer conexão genética. Risch esteve envolvido em um estudo menor que não encontrou ligações entre homossexualidade masculina e o cromossomo X.

O médico Robert Green, especialista em genética de Harvard, afirmou que o novo estudo é “intrigante, mas de forma alguma conclusivo”. Os pesquisadores dizem que encontraram ligações com a homossexualidade masculina em uma porção do cromossomo X e no cromossomo 8 com base em análises de material genético presente em amostras de sangue e de saliva dos participantes.

O médico Chad Zawitz, participante do estudo, observa que o estudo é um “passo gigante” para responder a perguntas científicas sobre a homossexualidade e para ajudar a reduzir o estigma que os gays comumente enfrentam. Ser gay “é mais ou menos como ter uma certa cor de olho ou cor de pele – é apenas quem você é”, diz Zawiz. “A maioria dos heterossexuais que eu conheço não escolheram ser heterosexuais. É intrigante para mim por que as pessoas não entendem.”

Héteros são desafiados e se labuzam ao fazerem garganta profunda

Um grupo de amigos héteros aceitam o desafio e mostram que, se fossem gays, fariam o sexo oral muito bem em seus parceiros. Para provar que são bons em sexo oral, eles foram submetidos a uma demonstração na prática utilizando uma banana, e quem conseguisse engolir toda a fruta ganharia a competição. O resultado desse desafio bizarro você confere no video abaixo:

Na Moda, G0ys são Homens que se relacionam com Homens mas não são Gays

Eles são homens que se beijam, se masturbam juntos e fazem até sexo oral, mas não se acham gays.

Dois homens podem se abraçar, se beijar, se masturbar juntos e até praticar sexo oral eventualmente, mas isso não significa que eles são gays. Assim pensam os g0ys (com um zero no lugar do “a”), um grupo surgido nos Estados Unidos em meados da primeira década dos anos 2000 e que vem expandindo sua filosofia pelo mundo, inclusive com muitos adeptos no Brasil.
No Facebook, o grupo “Espaço g0y e afins” tem mais de 640 membros.O site brasileiro “Heterogoy” deixa muito claro que g0y não é gay e explica que “é um heterossexual mais liberal, que não faz sexo com homens, apenas faz brincadeiras sacanas, desde que nesses contatos não ocorra a penetração”, que os participantes do movimento acreditam ser “degradante”. “O termo g0y serve para designar homens que não praticam sexo anal com outros homens”, ressalta outro trecho do site brasileiro.
O grupo, porém, causa polêmica principalmente entre os integrantes do movimento LGBT. Alguns ativistas, como o antropólogo Luiz Mott, fundador do Grupo Gay da Bahia, acreditam que a criação de novas categorias de gênero acaba tirando o foco da luta pelos direitos dos homossexuais.- Toda diversidade sexual deve ser respeitada. Porém, num país onde um gay ou travesti é assassinado a cada 21 horas, inventar “trocentas” novas identidades de gênero desestrutura o movimento afirmativo dos homossexuais, que ainda estão lutando pela sobrevivência – afirma Mott. – Acho interessante a exploração da sexualidade, mas prefiro estimular que os g0ys se afirmem como gays.

 

Cérebro de Pais gays age como o de um pai e o de uma mãe ao mesmo tempo, segundo pesquisa científica…

As coisas não estão indo muito bem para quem é contra a adoção de crianças por casais gays no quesito argumentos. A ideia de que pais gays teriam dificuldade para desempenharem os papéis tradicionais de pai e de mãe está completamente errada, segundo um novo estudo publicado na revista Proceedings, da Academia Nacional de Ciências dos Estados Unidos.
De acordo com o texto, os cérebros dos pais gays mudam da mesma forma que os dos seus colegas heterossexuais depois da paternidade. Os pesquisadores analisaram imagens do cérebro de pais tanto gays quanto heterossexuais, e descobriram que os homens homossexuais que adotaram crianças por meio de barriga de aluguel sofreram alterações em regiões do cérebro assim como mães e pais héteros.
Curiosamente, enquanto o estudo constatou que o cérebro de pais e mães heterossexuais de primeira viagem passam por diferentes mudanças, pais homossexuais passam por uma combinação dos dois, o que sugere que pais gays desempenham os dois papéis na paternidade.
Neurologicamente falando, pais gays são capazes de assumir o papel tanto de mãe quanto de pai, e reagir às atitudes da criança de acordo com isso.
O estudo foi realizado pelo pesquisador Eyal Abraham, da Universidade Bar-Ilan, em Israel, com a contribuição de Ruth Feldman, também da Bar-Ilan, e da professora Talma Hendler, do Centro Médico Sourasky, de Tel-Aviv. Os pesquisadores filmaram as novas mães e pais interagindo com seus bebês, e mediram a atividade cerebral dos pais enquanto eles reviam esses vídeos. As imagens revelaram que pais gays apresentaram atividade emocional na amígdala semelhante a novas mães, enquanto ao mesmo tempo exibiam aumento da ativação dos circuitos cognitivos que ocorreram nos cérebros dos novos pais heterossexuais.
“Os cérebros dos pais são muito maleáveis. Quando há dois pais, seus cérebros tendem a trabalhar nas duas frentes, na emocional e na cognitiva, para atingirem um nível ideal de paternidade”, explica Feldman. Abraham acrescenta que esta é uma oportunidade de examinar possíveis desenvolvimentos na paternidade, dada a “reorganização da família tradicional, a redefinição dos papéis maternos e paternos” e o aumento do papel dos homens na educação dos filhos.
“Apesar do crescente envolvimento dos pais na criação das crianças, poucas pesquisas até agora têm examinado a base biológica da paternidade, e nenhum estudo examinou a base cerebral da paternidade humana quando os pais assumem a responsabilidade primária de cuidados com o bebê. As famílias de dois pais proporcionam um cenário único para avaliar as mudanças no cérebro do pai ao assumir o papel tradicionalmente ‘maternal’”, diz.
fonte hypscience

Por que os homens coçam o saco?

Dentro da cueca, o dia todo, ficam o saco, as duas bolas e o pinto, todos amontoados, rodeados por pelos no meio das pernas. Claro que isso esquenta. E muito calor compromete a produção de sêmem. Por isso que o cérebro dispara aquela coceirinha: para que o homem movimente aquelas partes e areje um pouquinho. Mas uma coceirinha é pouco e a região não demora a reaquecer, logo, o ato precisa ser repetido várias vezes ao dia. Senão é capaz do conjunto cozinhar ali mesmo.
Outra causa da coceira é que o saco contrai. Tanto por conta da variação térmica quanto por que é outro mecanismo do corpo para que a região tenha algum movimento. Com esses movimentos, os pelos do saco acabam roçando, disparando a coceira e começa tudo de novo. E o ato de coçar é tido como uma das melhores recompensas que corpo pode se proporcionar.
Todavia, não é por isso que tá liberado coçar abertamente, sem se preocupar com quem está por perto. É socialmente grosseiro.
fonte: muitointeressante

O pênis do meu namorado baba demais! O que faço?

O famoso líquido transparente que todo homem libera, expele, solta (como quiserem chamar) antes da ejaculação e que ocorre durante toda a fase da excitação, é extremamente necessário para a lubrificação da cabeça do pênis.
A quantidade desta secreção vai ser bem diferente de pessoa para pessoa, pois isso tem a ver com o metabolismo de cada um, ou seja, algumas pessoas têm uma lubrificação em excesso e outras não.
O fato é que, sem esta lubrificação, fica bem mais difícil penetrar seu parceiro. Com ela, tudo desliza bem mais fácil.
Mas, se a lubrificação do seu parceiro é em excesso e isso atrapalha um pouquinho a relação, nada que uma toalhinha não possa ajudar nessa hora.
Não há o que fazer. Cada um é como é! É preciso se adaptar.
fonte: superpride